novembro de 2019
 
Data Local Evento
04 Cidade Escola Ayni / Guaporé - RS

Formação Vivencial Ayni para Entusiastas de uma Nova Educação

⇒  Duas semanas de práticas com a Educação Viva e Consciente vivendo a rotina de nossa escola  

⇒ Apenas 6 participantes por turma

⇒  De 4 a 14 de Novembro na Cidade Escola Ayni em Guaporé - RS!

⇒ Informações: http://bit.ly/formacaovivencialsite

⇒ Inscrições: cursos@fundacaoayni.org ou pelo Whatsapp (54) 99641-0037 - Link: https://bit.ly/2H3KkrV

15 Cidade Escola Ayni / Guaporé - RS

Reinventando a Escola - Imersão de DesAyni Thinking para Cocriação de uma Nova Educação

⇒  Reinventando a Escola é uma imersão que nos leva a jornada em busca das soluções para uma nova educação. Aliando os conceitos da Ayni de reconexão com a criança e com o planeta e a abordagem do Design Thinking Para Educadores, vamos juntos descobrindo a nossa força transformadora e co-criando nossas práticas educativas.  

⇒ Vagas Limitadas

⇒  De 15 a 17 de novembo na Cidade Escola Ayni em Guaporé - RS!

⇒ Informações: http://bit.ly/designthinkingsite

⇒ Inscrições: cursos@fundacaoayni.org ou pelo Whatsapp (54) 99641-0037 - Link: https://bit.ly/2H3KkrV

25 Cidade Escola Ayni / Guaporé - RS

Formação Vivencial Ayni para Entusiastas de uma Nova Educação

⇒  Duas semanas de práticas com a Educação Viva e Consciente vivendo a rotina de nossa escola  

⇒ Apenas 6 participantes por turma

⇒  De 25 de Novembro a 06 de Dezembro na Cidade Escola Ayni em Guaporé - RS!

⇒ Informações: http://bit.ly/formacaovivencialsite

⇒ Inscrições: cursos@fundacaoayni.org ou pelo Whatsapp (54) 99641-0037 - Link: https://bit.ly/2H3KkrV

29 Cidade Escola Ayni / Guaporé - RS

Encontro com Ana Thomaz e Ivana Jauregui

⇒ Vagas Limitadas

⇒  De 29 de novembro a 1 de Dezembro na Cidade Escola Ayni em Guaporé - RS!

⇒ Informações: http://bit.ly/unindoopostossite

⇒ Detalhes e inscrições pelo e-mail cursos@fundacaoayni.org ou pelo whatssapp: 549641-0037 Link: https://bit.ly/2H3KkrV

 

dezembro de 2019
 
Data Local Evento
29 Cidade Escola Ayni / Guaporé - RS

Retiro de Ano Novo na Ayni - Criando o ano de sua vida!

⇒ Descanso, inspiração e empoderamento

⇒ De 29 de dezembro a 04 de janeiro na Cidade Escola Ayni em Guaporé - RS

⇒ Informações: http://bit.ly/anonovosite

⇒ Inscrições e informações pelo e-mail cursos@fundacaoayni.org ou pelo whatssapp: 549641-0037 Link: https://bit.ly/2H3KkrV

janeiro de 2020
 
Data Local Evento
fevereiro de 2020
 
Data Local Evento
março de 2020
 
Data Local Evento
abril de 2020
 
Data Local Evento
 
BANCO SICREDI
RAZÃO SOCIAL: AYNI
BANCO: 748
AGÊNCIA: 0136
CONTA: 83310-0
CNPJ: 234482150001/75
 
 
 
CLIQUE NO BOTÃO ABAIXO E
DOE O VALOR DE SUA PREFERÊNCIA
 
 
OU CLIQUE NO LINK ABAIXO
www.pag.ae/bccmpwN
 
ESCOLHA O VALOR PARA DOAR MENSALMENTE (DURANTE 1 ANO)
 
R$25,00 R$50,00 R$75,00
R$150,00 R$250,00 R$500,00
R$1000,00 R$2000,00 R$3000,00
 
PARA OUTROS VALORES ENTRE EM CONTATO PELO E-MAIL
cidadeescola@fundacaoayni.org
 
Publicado em 07 de Novembro de 2019
Conhecendo a Ayni! Aprendizagens em uma manhã fria! 

Conhecendo a Ayni!
Aprendizagens em uma manhã fria! 

A manhã inicia com uma das guardiãs fazendo o fogo da lareira. A primeira criança a chegar, ainda com frio, senta próxima da lareira e acompanha o início do fogo. Observa que o papel queima rápido, que as grimpas fazem estalos e percebe que, quando se assopra, o fogo fica mais rápido. Então pergunta:
- O que tem na sua boca?
A conversa engrena e falam sobre o oxigênio do ar, sobre como o fogo precisa do oxigênio para queimar a lenha e sobre como, quando assopram, o ar sai da boca mais rápido fazendo o fogo começar ou aumentar.
Outra criança chega e começa a contar que hoje o seu irmão não vem e que, portanto, hoje ela é “menos um”.
Em outro espaço, mais uma criança pega um jogo com alguns bonecos de madeira e vai montando sua família, contando que agora são 4, pois a sua irmã nasceu.
As três se juntam e vão brincar de “Pega Varetas”. Experimentam noções incríveis de equilíbrio e coordenação motora. Também discutem as regras sobre o respeito do momento de cada uma jogar e se engajam nas tão notáveis disputas para saber se “mexeu ou não mexeu?”, desenvolvendo um senso de justiça cada vez mais aguçado.
Enquanto isso no outro atelier, uma das meninas chega determinada a preparar cookies e foi direto para o computador pesquisar as receitas. Quando encontrou uma que a agradasse, se deparou com quantidades em diferentes unidades de medida: farinha estava em gramas, ovos em unidades, leite em mililitros, além das frações de xícara que a deixaram confusa:
- Como assim 1 ¾ de xícara?
- É como se você pegasse a quantidade de uma xícara inteira, dividisse em 4 partes e usasse só 3 partes das 4, mais uma xícara inteira, 1 + ¾ de xícara.
Responde o guardião.
Quando foi preparar a receita, dizia para adicionar manteiga derretida, mas ela não queria ter mais esse trabalho de derreter e ainda mais uma panela pra lavar. Começou a adicionar a manteiga sólida mesmo, mas o dia estava frio e foi bem difícil de tirar as colheradas do pote. Aí ela entendeu que melhor mesmo era derreter pra misturar melhor na massa e ainda concluiu:
- Se estivesse mais calor, a manteiga derretia mais fácil. Hoje só no fogão mesmo.
- E não esquece de colocar a água morna na farinha!
Disse sua amiga que estava acompanhando por perto.
- Por quê? A água já é líquida.
- Mas ela morna mistura melhor na farinha.
Aliás, daqui alguns dias será aniversário de uma das adolescentes, e sua irmã estava aprendendo a tocar “Parabéns pra você” no teclado. Sua mãe, que é uma das guardiãs, mostra pra ela a sequência das notas no meio do teclado e a convida pra ela fazer igual no canto direito, onde ela estava sentada. Quando ela percebe que a melodia funciona em vários conjuntos de teclas no teclado, experimenta tocar em todas as escalas. Outra criança se junta a ela e começam a tocar juntas, até que uma delas parte para outros instrumentos tentando tocar a mesma melodia. As duas fazem experimentos tocando teclado, xilofone, flauta peruana e escaleta.
No outro canto da sala, outra criança também chega com um projeto em mente: pintar uma bandeira para seu time dos jogos escolares. Primeiro, começa testando os tipos de tinta e também a diluição para que consiga pintar rápido sem que a tinta escorra pelo tecido. Quando percebe já passou meia hora e ela só pintou uma letra. Faltam mais 2 horas para acabar o tempo de escola e ela tem mais 12 letras para pintar. Parece não dar tempo... e ela pede ajuda ao guardião, que a acalma dizendo que ela está pegando o jeito, que está ficando cada vez mais confiante e que vai conseguir acelerar o processo. Ao fim, ela terminou ainda antes do tempo, mas percebeu que havia manchado a blusa. A tinta que ela usou não saia com água. Algum tempo de pesquisa na internet, e ela encontrou uma receita com limão e sabão. Foi até perto do banheiro, onde o limoeiro estava carregado, e também pesquisou se podia ser com sabão de coco no lugar do detergente. A receita não funcionou perfeitamente, mas a maior parte da mancha saiu como mágica.
Sentada em uma cadeira com encosto de borboleta, numa mesa em forma de folha, uma pequena começa sua obra de arte, dotada de cola colorida em suas mãos. Usa toda sua concentração para coordenar os movimentos de apertar e mover o tubo na superfície do papel, aprimorando suas noções de quantidade volumétrica e velocidade.
Enquanto isso alguém se olha no espelho e decide se maquiar.
Um dos meninos ama duas coisas: dinossauros e quebra-cabeças. Quando encontrou um quebra-cabeça em 3 dimensões de um dinossauro, foi apaixonante! Olhava de lado, virava, tentava, consultava o desenho na caixa, virava de novo, ia encaixando e imaginando os ossos daquele animal enorme.
Três amigas encontraram bolinhas de isopor e espetos de madeira e foram logo criar o óbvio (em suas cabeças!): espetinhos deliciosos que foram oferecidos a todos do atelier, que experimentaram e aprovaram a iguaria.
Em meio a tanta descoberta e aprendizados, uma dupla pintava um mundo mágico de unicórnios com tinta guache, e outro criava inventos com sucatas.
Dois meninos estavam discutindo sobre a expressão “por cento”. Um deles argumentava que não tem como ser mais que cem por cento porque a ideia do “por cento” é dizer uma fração de algo inteiro dividido “por cem”, se for mais que cem não faz sentido usar essa expressão.
Este relato é de alguns momentos que aconteceram em uma manhã na Ayni. Um espaço onde não existe direcionamento do adulto, porém existem movimentos e interesses internos pulsando e se materializando. Um espaço onde a troca entre as idades é natural, onde os adolescentes têm a oportunidade de brincar, trocar e ser grandes ídolos e mestres para as crianças menores. Todos no mesmo lugar, ninguém é melhor ou pior, somente de diferentes tamanhos, tipos e gostos.
Já imaginaram um mundo onde nos vemos assim? Seres cada vez mais plenos de si, movidos pelos seus interesses, criando um mundo particular conectado com o todo.

Texto dos guardiões Ana Paula Zatta Rodrigo Lisboa Nogueira e Karina de Gaia



 
  • sem sala de aula
    com liberdade para escolher o que aprender
  • sem divisão de
    turmas
    com oficinas de música, teatro, circo, artesanato...
  • sem provas
    onde o método de avaliação é a felicidade
  • sem competição
siga-nos nas redes sociais
cadastre seu e-mail e receba novidades
CIDADE ESCOLA AYNI
Visitas: Rua Marcelino Champagnat, 180
Avenida Monsenhor Scalabrini, 736
- RIO GRANDE DO SUL - BRASIL